Ter sucesso na vida profissional é um assunto que rende muita expectativa, possíveis frustrações e bastante papo, não é mesmo?

Antes de o êxito chegar (e aqui também poderíamos ter uma ampla conversa filosófica sobre o que é sucesso, mas agora não vem ao caso), florescemos no jardim das ideias.

Pensamos sobre como Larry Page e Sergey Brin, os meninos Google, tiveram a sagacidade em criar a empresa a partir de um serviço simples. Ou elucubramos sobre como a equipe da startup sueca Spotify investiu em um aplicativo para streaming de música, quando já existiam Youtube e players de smartphones — ambos que somente no agora já sabemos quão efetivo são.

Hoje, por exemplo, já sabemos que ninguém poucas pessoas vivem sem a colaboração do Google. (Aliás, até essa parte do texto já se foram três consultas no buscador e a realização de que o serviço virou expressão mundial: to google (em inglês) e, em bom português, dar um google.

Mas, voilà, você apostaria mesmo nessas ideias no momento em que elas surgissem na sua cabeça? Provavelmente, não.

Pois bem, e o que isso tem a ver com um negócio original, o Google e sua empreitada no mundo dos negócios? Absolutamente nada! Vamos explicar:

Embora tudo — assim como o exemplo do Google e Spotify, a jornada do herói, as vidas virtualmente perfeitas e as soluções rápidas que temos notícias, etc. — leve a crer que estamos a todo instante a um passo do sucesso ou da escolha que vai mudar nossa vida, é na história de todo dia que vamos construindo nossa trajetória.

E a maioria de nós, leia-se população que sonha, estuda, trabalha, empreende, não vamos chegar a esses mesmos lugares com ideias mundialmente inéditas e brilhantes (nada pessoal, ok?). Mas a verdade é que existe um além entre essas encapsuladas histórias “originais e de sucesso” que, hoje, convidamos você a olhar. Aceita a viagem?

Descobrir nossa pérola

Bom, em uma época onde as grandes soluções, que felizmente estão melhorando nossas vidas neste mundo, já estão sendo (ou já foram) inventadas por vários “alguéns brilhantes”; em um tempo em que as máquinas estão cada vez mais rápidas e eficazes em dar conta do trabalho burocrático e repetitivo, sobra tempo para que a gente se ocupe dos pequenos grandes acontecimentos diários.

E o que isso significa? Que é tempo de fazer o serviço estritamente humano: descobrir nossa potencialidade, se empenhar na conexão entre pessoas, investir na expressão, se abrir para a pérola de ser quem a gente é, a qual nos faz seres únicos. Nós negócios? Também!

Ressignificar sucesso

A partir desse olhar interno do que nos torna únicos, podemos enxergar nas entrelinhas a conexão entre a história dos “meninos Google” e as escolhas que fazemos todos os dias para chegar ao sucesso. E percebemos que ser bem-sucedido é algo muito particular. Traz à tona influência dos pais ou da família, cultura e desejos pessoais, por exemplo.

Somente então, depois de ampliar o olhar e ressignificar nossa visão sobre uma história de sucesso, tornando-a mais humana e real do que mostram os resultados do Google, podemos chegar à conclusão: o universo do êxito é mais vasto do que parece.

Investir na nossa singularidade

Embora esteja cada vez mais improvável encontrar alguma ideia inédita e original, elas ainda podem ser autênticas. Podemos, claro, não criar outro Google ou Spotify. Mas ofereceremos ao mundo algo igualmente valioso: nossa singularidade. Uma característica que nos torna especialmente únicos, que não é plural.

Investir nessa singularidade envolve estar atento para além das nossas habilidades técnicas. É necessário colocar a energia naquilo que nos motiva, naquilo que nos preenche. Em termos de empreendedorismo e marketing, podemos chamar de descobrir nosso diferencial competitivo, o qual nos dá indícios de onde podemos tomar pequenas grandes ações, que impactam não só nossas vidas, como a de outras pessoas.

São esses os caminhos que podem nos levar a lugares inimagináveis, inclusive a um negócio autêntico com uma ideia não tão original assim! Afinal, como já dissemos, é na história de todo dia que a gente constrói nossa trajetória de amanhã.