Hoje o e-mail é uma ferramenta acessível e popular de comunicação para a troca de mensagens virtuais entre pessoas por todo o mundo. Mas nem sempre foi assim: embora mais antigo que a própria internet, foram muitos anos de trabalho e inovação até que o correio eletrônico pudesse ser usado cotidianamente e comercialmente.

Por isso, neste post, reunimos alguns porquês por trás da história do e-mail que podem acender ideias e inspirar a gestão do seu consultório de Psicologia. Isso mesmo! Vamos conferir:

Quem inventou o e-mail?

Bom, Ray Tomlinson foi um engenheiro eletricista dos EUA contratado pela empresa americana Bolt Beranek and Newman para trabalhar em um projeto do que, hoje, conhecemos como internet.  À época, por volta dos anos 60, ele notou que poderia somar a funcionalidade de dois programas para a troca de mensagens. E tudo começou com uma brincadeira. Primeiro, Tomlinson testava o envio para si, depois, seguiu a comunicação com seus colegas de trabalho. Eis o início do  correio eletrônico!

Curiosidade

Esse rapaz criativo também foi o responsável por definir o “@” como indicador dos endereços de e-mail. A escolha se deu porque a referida tecla do teclado é a única que atua como preposição, indicando, no caso do correio eletrônico, em que local a caixa de e-mail da pessoa está. Por exemplo, Maria “@”/ em gmail.com. Então, podemos inferir que um olhar criativo e atento aos fatos cotidianos pode fazer diferença no rumo do seu negócio.

Os porquês do e-mail

No início, a intenção era a troca de mensagens simples e internas pelos usuários da ARPANet, uma espécie de mãe da internet criada somente para fins militares. Dois anos depois das primeiras trocas, um estudo indicou que 75% do tráfego na ARPANet era oriundo do envio e recebimento de e-mails.

Mas o correio eletrônico só começou a ser visto como uma oportunidade comercial cerca de 10 anos depois, quando Gary Thuerk, funcionário de outra empresa americana, a Digital Equipment Corporation enviou o primeiro “spam” da história — à época apenas uma mensagem inconveniente. A tentativa era vender um modelo novo de computador. Enviou mensagem para 600 pessoas aleatórias.

A partir de então, aconteceu o vislumbre de que o e-mail poderia ser uma ferramenta simples e eficaz para ampliar a comunicação. De uma maneira saudável? Também.

Levando em conta o exemplo da história do e-mail, podemos perceber a importância de soluções que conectem as pessoas. E como seguimos nesse propósito ainda hoje, com a realidade dos anos 2000: temos o boom das redes sociais e a diminuição crescente da distância entre as pessoas.

Nesse sentido, pode surgir uma interessante reflexão empreendedora: como o meu consultório de Psicologia pode estar mais conectado às pessoas? Como meu trabalho pode possibilitar mais conexão entre as pessoas?

Ampliando a conexão

Após essa breve passeada no campo das ideias, voltemos a falar sobre os e-mails e o cenário atual em que se figuram.

Embora tenha levado mais de 20 anos até que a ferramenta se popularizasse entre usuários comuns, hoje é possível aumentar a audiência de um negócio apenas com o uso profissional dos e-mails. Isso porque o Marketing foi capaz de aprimorar as técnicas para envio das mensagens baseado, entre outros atributos, em um perfil dos internautas.

É comum empresas utilizarem sistemas de automatização para o disparo de e-mails, também conhecidas como ferramentas de e-mail marketing. Por elas, é possível alimentar um fluxo de nutrição para que seu potencial comprador não se perca no caminho de conversão, atrair novos clientes, bem como estreitar o relacionamento com eles.

O que isso significa na prática?

Que a história do e-mail pode ser usada em favor do seu consultório de Psicologia. Além da inspiração que nos suscita em conhecer sua evolução, o uso da ferramenta traz benefícios práticos na gestão de um negócio. Por exemplo, existem algoritmos que respondem mensagens pra você, configurações de envio que permitem encaminhar cartões de aniversários, programações para contato com clientes que estão há um tempo sem frequentar seu consultório, entre outras ações de um bom Marketing de Relacionamento.

Bom, agora que você tem uma noção de como os e-mails podem te ajudar no caminho rumo ao seu sucesso profissional, não deixe de conferir nosso post sobre outro assunto fundamental no universo do empreendedorismo:  o feedback dos clientes!