Uma breve história sobre marcas e identidade visual

Se você é leitor do Blog da Psicologia da PLING ou simplesmente tem procurado saber mais sobre como consolidar sua imagem profissional e, de forma ética, conquistar novos pacientes, já deve ter ouvido falar sobre a importância da identidade visual dentro desta estratégia, não é mesmo?

Mas afinal, será que você conhece bem a história por trás do conceito? O que é uma identidade visual e como a ideia surgiu? Entenda um pouco mais sobre o assunto nesse post!

Em primeiro lugar, o que é identidade visual?

A identidade visual é o conjunto de elementos básicos do design, como símbolo, logotipo, fonte e cores, que faz uma representação visual sistematizada de uma empresa, produto ou serviço. Algo que se aplica perfeitamente ao mundo da Psicologia. 

Em palavras simples, são aqueles elementos que, reunidos, transmitem a mensagem que a sua organização representa. É a imagem da marca para o seu público alvo e o mercado, sua assinatura institucional.

Normalmente, a confecção do logotipo que representa visualmente tudo isso éestabelecida por meio de um documento técnico que os designers chamam de manual de identidade visual.

Esse documento deve ser utilizado para estabelecer normas e critérios para a reprodução da marca em diversos meios, como impressão e interfaces eletrônicas, garantindo assim a sua padronização.

Um pouco mais sobre a história da identidade visual

É bastante difícil precisar quando surgiu o conceito de identidade visual. Há 5000 anos já havia, por exemplo, o conceito de marcar o gado para indicar propriedade e, há 3000 os gregos tinham como hábito assinar suas construções.

Na idade média, era comum que as associações ou corporações de ofício, também chamadas de guildas, utilizassem marcar próprias como garantias de procedência e no século XVI os governos europeus estabeleceram os primeiros órgãos de reconhecimento e proteção de marcas.

No século XVIII, com a Revolução Industrial, a produção passou a ser comercializada cada vez mais distante do seu local de origem e o processo de criação de uma identidade visual começou a ganhar maior importância estratégica.

No entanto, o primeiro registro de normas claramente definidas com objetivo de organizar a identidade visual de uma corporação data de 1907, na Alemanha, quando a primeira equipe de consultores de imagens foi reunida para pensar símbolo, logotipos, folders e até mesmo instalações físicas visando uma comunicação padronizada e eficaz.

Foi nesse mesmo período que a empresa Lever, atual Unilever, tornou-se uma das primeiras a padronizar embalagens de produtos e investir em grafismos próprios, elevando as vendas de maneira expressiva.

Já em 1924, o conglomerado norte-americano de produtos de limpeza, higiene e alimentos Procter & Gamble, que na época produzia apenas velas e sabão, decidiu investir pela primeira vez em uma pesquisa de público para entender melhor os hábitos de compra dos consumidores e pensar estrategicamente a gestão da sua marca.

Sete anos depois, em 1931, a Olivetti, que atuava no ramo de máquinas de escrever, percebeu como uma boa gestão da identidade visual pode ser importante para o sucesso do negócio e criou um departamento de desenvolvimento e publicidade, cujo objetivo principal era pensar em projetos ligados à inovação, estética e novos materiais.

De lá para cá, muita coisa mudou. Antes restrita às grandes corporações, a identidade visual tornou-se um conceito mundial para promoção de negócios de todos os portes. É praticamente impossível imaginar a criação de uma empresa sem pensar na sua marca.

Afinal, por que pensar na identidade visual é assim tão importante?

Isso acontece porque a identidade visual é a primeira forma de contato do público-alvo com você e com a sua clínica.  É por meio dela que potenciais pacientes vão compreender, ainda que de maneira inicial, a visão e os valores de sua clínica.

Por isso, uma identidade visual descuidada ou mal planejada pode não só afastar potenciais novos pacientes — o que, em um mercado tão competitivo, representa um enorme problema — como prejudicar a sua clínica no que ela tem de mais importante: a credibilidade.

Marcas mal elaboradas passam a sensação de amadorismo, de que o seu consultório não é um empreendimento sólido e gerido de maneira profissional.

Por isso, ao planejar a sua identidade visual e, consequentemente, a maneira como a sua clínica é vista pelo público, é essencial cercar-se de profissionais de qualidade, que compreendam as suas necessidades e tenham expertise na criação de logotipos na área de saúde.

Gostou de saber um pouco mais sobre a história da identidade visual e entender a sua importância para empreendedores que desejam melhorar o desempenho dos seus negócios?

Se você está em busca de uma empresa de qualidade para planejar o seu logotipo, entre em contato conosco. Será um prazer atendê-lo!

Selecionamos um vídeo para você assistir que sintetiza um pouco este assunto. Para assistir clique aqui

0
Seja o primeiro a comentar!